Gordura na barriga e coxa em mulheres com 30 anos pode ser predominância estrogênica

Se você notou no corpo um acúmulo extra de gordura nas regiões da barriga, coxa e quadril que não desaparece com atividade física regular ou alimentação balanceada, talvez seja importante consultar um médico e verificar seus hormônios, já que os sinais podem estar relacionados a um distúrbio chamado predominância estrogênica.

O que é predominância estrogênica
Predominância estrogênica é o nome dado a um distúrbio hormonal cada vez mais comum em mulheres a partir dos 30 anos, caracterizado pelo excesso de estrogênio e redução da progesterona no organismo.

publicidade:

Em seu perfil no Instagram, a médica Anna Virginia Pinto explica que este desequilíbrio pode levar a alterações metabólicas, afetando desde as glândulas da tireoide e suprarrenais até órgãos e tecidos do corpo.

Sintomas predominância estrogênica

Além do aumento de gordura corporal, principalmente em áreas como barriga, coxas e quadril, a predominância estrogênica tem entre seus sintomas mais comuns:

Queda de cabelo
TPM e cólicas menstruais fortes
Crises de enxaquecas
Hipotireoidismo
Doenças autoimunes
Baixa libido
Fadiga crônica
Sensação de frio nas extremidades
Retenção de líquidos
Ansiedade e depressão
Déficit de memória

Causa da predominância estrogênica

As causas da dominância de estrogênio variam, normalmente estão relacionadas a uma desregulação metabólica e mau funcionamento dos órgãos. A obesidade é um dos fatores que contribuem para o surgimento da condição, já que, quanto maior a quantidade de gordura corporal, maior a disponibilidade de estrogênio, em detrimento da testosterona.

Uma dieta rica em açúcar, alimentos ultraprocessados e bebidas alcoólicas pode provocar sobrecarga do fígado que, consequentemente, tem comprometida sua função de limpar o corpo de hormônios “velhos”, especialmente estrogênio.

O consumo exagerado de alimentos ricos em estrogênio, como soja, linhaça e leguminosas também podem causar um aumento da carga de estrogênio no corpo e favorecer o desequilíbrio hormonal, assim como pouca ingestão de fibras.

O baixo consumo de alimentos risco em fibras compromete o processamento do estrogênio, uma vez que atrapalha o bom funcionamento do sistema digestivo. Com uma flora intestinal enfraquecida, o estrogênio fica muito tempo no intestino e é reabsorvido na corrente sanguínea.

Por fim, o estresse também pode ser um fator significativo para o aparecimento da predominância estrogênica. A condição afeta a produção hormonal como um todo e pode diminuir os níveis de progesterona e elevar as taxas de estrogênio.

View this post on Instagram

Trata-se de um distúrbio hormonal que vem infelizmente se tornando muito comum em mulheres com +30 anos de idade (e até mesmo em homens!), caracterizado pelo excesso de #estrogênio e redução da #progesterona. . Como nosso corpo precisa de um ajuste fino nas nossas concentrações hormonais, já podemos esperar que a predominância estrogênica pode levar a alterações metabólicas, afetando desde glândulas (como tireoide e suprarrenais) a órgãos e tecidos (coração, mamas etc), aumentando os riscos de desenvolvimento de distúrbios e alterações mentais, câncer de mama e doenças cardiovasculares. . Sinais/sintomas: ✔️aumento de gordura corporal, em especial abdômen, coxas e quadril (formato ginecoide) ✔️queda aumentada de cabelo ✔️TPM e cólicas menstruais fortes ✔️enxaquecas recorrentes ✔️ #hipotireoidismo ✔️doenças autoimunes ✔️baixa libido ✔️fadiga crônica ✔️sensação de frio nas extremidades ✔️maior retenção hídrica ✔️ansiedade e depressão ✔️déficit de memória . E quais as causas e doenças relacionadas? ✔️Síndrome dos ovários policísticos ✔️ endometriose/ adenomiose ✔️ câncer de mama ✔️Obesidade (pelo aumento da aromatase – enzima responsável pela aromatização, ou seja, conversão de hormônios, como testosterona, em estrogênio) ✔️Exposição a fito e/ou xenoestrógenos: plástico, BPA, soja, químicos da agroindústria, entre outros disruptores endócrinos) ✔️Stress crônico (este item pode ser causa e/ou consequência do desequilíbrio) . Como tratar? Sempre tratamos a causa, o que por si só já ameniza ou elimina os sintomas: ✔️equilíbrio hormonal (pode ser necessária reposição de progesterona) ✔️adequação da #dieta (por nutricionista) ✔️#emagrecimento ✔️exercício físico ✔️fitoterápicos (para regular sintomas e produção hormonal ✔️suplementação com antioxidantes (além da dieta) para reduzir inflamação e melhorar a recepção dos hormônios nas células e sua ação. . Consulte bons profissionais de saúde para não só identificar o desequilíbrio hormonal, mas também para orientar as mudanças no seu estilo de vida 🙏🏻 . #nutrologia #medicinadoestilodevida #medicinapreventiva #medicinaintegrativa

A post shared by Dra. Anna Virginia Pinto (@draannavirginia) on

publicidade:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*